Imprensa, anticomunismo e fé: a destruição do Caldeirão da Santa Cruz do Deserto nas representações da imprensa brasileira (1936-1937)

No município de Crato – CE formou-se sob a liderança de um beato negro, pobre, peregrino como outros tantos do sertão nordestino, de nome José Lourenço, uma comunidade denominada “Santa Cruz do Deserto”, conhecida como “Caldeirão do beato José Lourenço”. Tendo como principais características o trabalho e a fé, despertou na Igreja e elite local a desconfiança de que ali se organizava uma comunidade comunista. Com medo de que se tornasse uma nova Canudos, aliaram-se ao governo do Estado para promover uma campanha difamatória, preconceituosa, dedicada a destruir a comunidade e o seu líder. Esse artigo pretende analisar, portanto, como tais discursos foram disseminados através da imprensa do país. Dado o considerável montante de jornais que abordaram o tema na época, intenta-se trazer apenas uma mostra daquilo que se formulou em dois momentos distintos: a invasão da comunidade e a dispersão dos habitantes pelas tropas do tenente José Góis de Campos Barros em 1936 e o confronto com os remanescentes que se abrigaram na serra do Araripe, chefiado pelo capitão José Bezerra, resultando em sua morte, do seu filho e de mais cinco soldados, do beato Severino Tavares e dezenas de camponeses em 1937.

Laboratório de Pesquisa em História Social - LABORE 

Núcleo de Estudos em História Social e Ambiente - NEHSA 

Brasil, Estado do Ceará

Contato: historiasertoes@gmail.com

© Desde 2017